Morre Orlando Tapajós, um dos maiores nomes do Carnaval da Bahia

Na noite do último sábado, 16 de junho de 2018, por volta das 23h, morreu o construtor de trios elétricos Orlando Tapajós, 85 anos. Ele, que é um dos maiores nomes do Carnaval da Bahia, estava internado no Hospital Teresa de Lisieux, em Salvador, desde o dia 11, quando sofreu um infarto.

750_acidente-caminhao-br324_2018614101859379

O corpo do carnavalesco será velado no Palácio do Rio Branco a partir das 11h deste domingo, 17. Inicialmente, a cerimônia será só para família e amigos. Às 17h, o velário será aberto ao público, fechando à noite.

Na segunda, 18, voltará a ser aberto, das 8h às 11h. Em seguida, o corpo sairá em cortejo no carro do Corpo de Bombeiros pela praça Castro Alves, dando a volta na Casa D’Itália e retornando à praça, onde será feita homenagem pelos trios elétricos. O sepultamento será às 14h, no Jardim da Saudade, bairro de Brotas, em Salvador.

Rui Costa, governador da Bahia, lamentou a morte de Tapajós: “É com imenso pesar que recebo a notícia do falecimento de Orlando Tapajós, uma das personalidades baianas que mudaram a forma de se fazer Carnaval na Bahia e no Brasil. Quero me solidarizar, em meu nome, da primeira-dama e de todos os baianos, com os familiares e amigos de Orlando Tapajós, nesse momento de dor e sofrimento. Expresso meus sentimentos de luto e pesar pela perda de uma figura tão importante para a história do Carnaval baiano”.

Em nota, o prefeito ACM Neto também se solidarizou com a família do criador de trios: “Que Deus dê conforto aos músicos, artistas, amigos e, principalmente, aos familiares de Orlando Tapajós”. Ele destacou ainda que “o Carnaval da Bahia e as festas populares de todo o Brasil ganharam uma nova dimensão com os trios elétricos e Orlando Tapajós foi um dos grandes responsáveis por esta transformação”.

A Associação Baiana de Trios Independentes (ABTI) também se manifestou sobre o falecimento de Tapajós. “A ABTI  e toda comunidade carnavalesca está de luto e lamenta profundamente a perda do grande carnavalesco e ícone da história da Bahia e do Brasil. Estamos auxiliando a família em todos os procedimentos para o sepultamento e, em breve, informaremos o horário e local“, disse Paulo Leal, presidente da entidade.

Trajetória

Orlando Campos de Souza, conhecido como Orlando Tapajós, desfilou pela primeira vez no Carnaval de Periperi, no subúrbio de Salvador, em 1956. Seis anos depois, criou a primeira carroceria metálica e independente da estrutura do caminhão.

Em 1972, depois de construir vários trios, ele inventou o mais famoso deles, a Caetanave. Todos os trios que criava, Orlando batizava. Sabia que chamaria aquela criação de “nave”.

A ideia do nome completo foi inspirada por Caetano Veloso, que acabara de voltar do exílio em Londres (Inglaterra). A Caetanave foi para as ruas naquele ano e a homenagem emocionou Caetano, que desfilou no trio com uma tripulação de peso: Gilberto Gil, Gal Costa e Maria Bethânia.

Em 2016, Orlando ganhou um circuito no Carnaval de Salvador, de Ondina à Barra. No ano anterior, foi homenageado da festa de Momo da capital baiana.

Fonte: A Tarde.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s