Paciente quer indenização do Hospital Dom Pedro de Alcântara, em Feira de Santana, por erro médico

O Hospital Dom Pedro de Alcântara (HDPA), em Feira de Santana, é alvo de uma ação judicial, com pedido de indenização, fruto de acusação de erro médico. O auxiliar de serviços gerais Lucas Mateus Cerqueira da Silva afirma que teve o pulmão perfurado durante um procedimento cirúrgico realizado na unidade hospitalar.

HDPA

O paciente relata que em novembro de 2017 foi submetido a uma cirurgia no HDPA para a retirada de placa e parafusos do ombro direito. Lucas Silva foi internado em 24 de novembro e operado no dia seguinte.

Ele descreve na ação judicial que o procedimento operatório se iniciou com a realização de anestesia, com o uso de anestésicos locais, que permite a anestesia dos membros superiores, desde o ombro até a ponta dos dedos. Ela é feita por meio de agulha, que é introduzida acima da região torácica.

DORES

Lucas Silva relata na ação judicial que após a cirurgia sentia muitas dores ao respirar. Apesar de relatar o incômodo ainda no hospital, o caso foi tratado como uma gripe.

Liberado após alta médica, o auxiliar de serviços gerais voltou a reclamar de dores no tórax, sendo levado para outra unidade hospitalar. Dois dias após a cirurgia, Lucas Silva deu entrada no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), onde ficou internado por 9 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Os médicos que atenderam o paciente no HGCA informaram à família que ele teve o pulmão direito perfurado, durante a aplicação da anestesia no Hospital Dom Pedro de Alcântara.

INDENIZAÇÃO

Os advogados de Lucas Silva buscam uma indenização no valor de pouco mais de R$ 53 mil, em virtude dos danos material e moral sofridos pelo paciente. O despacho do juiz Antônio Gomes de Oliveira Neto, da 5ª Vara Cível de Feira de Santana, designa audiência de conciliação entre as partes para o dia 9 de maio, às 16 horas.

No despacho o magistrado também alerta o HDPA quanto à necessidade de apresentação de contestação aos fatos no prazo de lei, sob pena do caso ser julgado à revelia.

Fonte: Olá Bahia, por Fabrício Almeida.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s